Amor é…


Carta – A última

Minha Querida,

Será esta a última carta que te vou escrever. Torna-se necessário que o faça para ficares a saber o que tenho de novo para te dizer. Lembra-te que não me interessa saber se vais ou não dar importância, acho porém, que seria justo da minha parte dar conhecimento.

Conhecer-te foi algo maravilhoso e os momentos que vivemos juntos, considerei os mais fantásticos de sempre. Foste sem dúvida a pessoa mais importante da minha vida e não vou negar que serás inesquecível, dure dias ou anos. Assim serás por ter sofrido demais com este amor não correspondido e não penses que te condeno por isso, muito menos quero que fiques com a ideia que o meu amor por ti se transformou em ódio ou raiva. Não, claro que não, não transformei esse amor em sentimentos opostos, nem sinto mais amor por ti. Tu sabes perfeitamente o quanto eu sofria, sempre soubeste e por isso quero que te sintas bem com esta carta que te escrevo. Vives dentro de mim por tudo o que representaste de bem e de mau também, a revolta, tristezas ou desilusões que me causaste, só aconteceram por eu ter permitido que me fizesses mal ou melhor, eu é que me mal tratei e sei melhor que ninguém que nunca me quiseste magoar.

Acho que sempre tiveste medo quando falava desse amor por ti. Tiveste medo de confiar, acreditar ou apostar naquela relação que poderia vir a ser eterna. Na minha opinião isso revela uma tremenda insegurança da tua parte, demonstrada pelas vezes que dissemos um ao outro para cada um seguir o seu caminho e horas mais tarde estávamos de novo juntos. Insegurança essa mais que revelada na forma como decidiste sair da minha vida, ao não teres sido capaz de apresentar um motivo ou a coragem para dizer adeus. Não tenho dúvidas, que se o tivesses feito, tinha sido mais fácil esquecer-te, o que revela a meu ver seres muito imatura, dona de um mundo que se torna pequeno até mesmo para albergar a tua presença. Durante anos vivi apaixonado por ti. Primeiramente lutei com todas as minhas forças para te conquistar. Nesses momentos sonhava contigo de uma forma optimista. Ao final de alguns meses percebi que lutar não era tudo – decidi esperar por ti. Vivia uma mistura de amor com solidão e por fim, tinha chegado a altura de perceber que o nosso destino, aquele que nos juntou, era o mesmo que não iria querer que ficássemos juntos. Ainda acreditei que íamos ficar amigos, o que nem isso aconteceu.

Após a tua ida, atravessei diversas fases. Aceitar que já não estarias mais ao meu lado, aceitar que não irias voltar a chamar-me de “meu amor”, acordar com o teu bom dia ou adormecer ao sabor da tua voz romântica, levou-me ao desespero. Chorei rios de lágrimas, não tenho vergonha de admitir, chegando à conclusão que quem não nos quer ver a sofrer, não dá motivos para derramar uma única lágrima. As saudades doíam, mas isso é algo que vamos ainda sentir, não achas? Eram estas as cartas o meu refugio para diminuir a intensidade das saudades e consciente que enquanto pensava em ti, estava a dar-te espaço e tempo quando o que toda a gente me dizia não seres merecedora. Veio a fase do falso esquecimento, coração cicatrizado de profundas feridas, fingindo que amava outras mulheres na expectativa que elas iriam fazer-me esquecer-te. Mas acredita que é das piores coisas que podemos fazer, por não trazer bons resultados. Pensava em ti, em nós, aquilo que fomos e podíamos ter sido, se bem que hoje agradeço por tudo ter acontecido tal como aconteceu. Tu foste a minha grande aposta e a minha maior decepção. Eu quis tanto que me amasses, mesmo sabendo que não se pode querer isso dos outros.

Entre o querer esquecer-te e continuar a viver com uma dor mais amenizada, levou o seu tempo, o que também em nada ajudaste. Gostava que a tua vontade consistisse em que tudo fosse mais leve para mim. Se não me amavas, a dor da despedida podia ser menor caso fosse essa a tua intenção, mas acho que nem em mim mais pensaste quando arranjaste namorado, acabando por ficar sem espaço na tua vida. Não estou a incutir culpa e sobretudo para mim, porque já sofri tudo o que tinha a sofrer por ti. Eu não morri, mesmo que tenha visto a morte pela frente, passei a relativizar o que não se torna fundamental para a minha sobrevivência. A proximidade com a morte tem um lado profundamente libertador. Acredita que nós nunca morremos, apenas passamos para uma outra dimensão e eis que tinha chegado o momento certo para te esquecer e ver a vida com outros olhos. Foram estes mesmos olhos que viram de novo uma forma de vida bem mais feliz, pela ausência da tua existência. No teu lugar não existe mais ninguém, esse espaço simplesmente foi extinto dentro de mim, colocando uma simples placa a dizer: Tudo passa! Pois é minha Querida, é bem verdade que tudo passa na nossa vida, como tu passaste por mim e não ficaste. É preciso que queiramos muito para que tudo passe e eu quis muito. Hoje posso dizer com toda a certeza que te esqueci. Mas não é só isto que quero dizer para ti, aliais o motivo maior para estar a escrever uma última carta, serve para que saibas que hoje vivo imensamente feliz por ter vencido as lutas em teu nome e que iam destruindo a minha vida. Vivo de novo apaixonado por uma mulher, diria profundamente apaixonado e conhecedor dos meus sentimentos serem recíprocos. Ela faz-me sentir bem comigo mesmo, bem com ela, bem com a vida e bem com todos. Este amor pode não ser para sempre, mas é inesquecível a cada dia que passa. Sabes que Ela fez-me acreditar em coisas que eu mesmo desconhecia dentro de mim? Pois bem, às vezes somos um poço de preciosidades que desconhecemos ter, achamo-nos pobres, quando na verdade somos possuidores de uma infinita riqueza.

Para terminar, não utilizarei mais a palavra “nós”, porque naquele dia D – dia do teu esquecimento, passámos a ser Eu e tu. Para ti desejo do fundo do coração que sejas imensamente feliz. Peço ainda que me perdoes todo o mal que possa ter causado, o que quanto a mim, perdoei-me e perdoei também os teus erros. Desejo que ames muito nesta vida, em primeiro lugar que ames a ti própria e só assim conseguirás amar os outros. Uma vida sem amor é como um rio sem peixes. Darei continuidade à minha vida com a mulher que eu agora encontrei e me faz desejar viver ao seu lado o resto da minha vida. Nunca pensei que amar fosse tão bom.

Se porventura um dia quiseres falar comigo, a minha porta continua aberta para uma visita tua. Espero que venhas por bem, caso contrário, o caminho que te traz até mim, será o mesmo que te leva de volta. Não te arrependas por não termos ficado juntos, acredita que me sinto bem mais feliz com Ela do que senti contigo. A vida é mesmo assim. Devolvo-te a chave de tudo o que aconteceu entre Eu e tu, não a quero mais comigo. Revive cada momento ou simplesmente atira-a sem destino e segue com a tua vida, assim como eu sigo com a minha com a certeza que no final da tempestade, um céu azul e um sol brilhante espera por mim e que jamais andaria sozinho, jamais. Caminhei, caminhei e encontrei quem sempre quis…até sempre.

 

Escrito a 09/0I/2010 Hc Poesias ®

 

– Dedicado a todas as pessoas que amam e perderam o seu amor, ficando online para uma mera reflexão do quanto pode ser a nossa vida. Até sempre a quem aqui veio e um muito obrigado!

 

Publicado em amor | Deixe um comentário

Existe uma diferença muito grande entre conhecer o caminho e percorrê-lo. Não procuro  conhecer meu futuro antes da hora, nem exagerar o sofrimento, esperar é dar uma chance à vida para que ela coloque a pessoa certa no meu caminho. A tristeza pode ser intensa, mas jamais será eterna. A felicidade pode demorar a chegar, mas o importante é que ela venha para ficar e não esteja apenas de passagem, como acontece com muitas pessoas que cruzam o nosso caminho nesse mundo sem fronteiras. Onde o longe é logo ali, e o perto?  Nem percebemos. Uns vão longe, outros, nem tanto, mas, o que é distância quando entendemos as letras? O mundo fica pequeno, na palma de nossa mão, nas pontas de nossos dedos, basta à gente querer, basta à gente ler. Mas, o que é distância quando enxergamos além das letras, nas entrelinhas da poesia, no jogo das palavras, ou na expressão aberta? E agora estou aqui diante do computador,  neste quarto escuro sonhando com meu porto seguro, seu beijo, seu abraço, sua pele macia e carinhosa como uma delicada pétala de rosa. Rosa que colhi pelo caminho e ofertei a você sem espinhos, ofertei também o meu braço para amparar o seu passo. E sem medo te contei os meus mais profundos segredos, e entre duas taças de vinho te dei todo o meu carinho. Dei mais do que querias, dei meu corpo, minha alma, alegria, amor e harmonia, que me inspirou a traçar esta poesia.

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Gostaria…


Gostaria de ser dono dos teus sonhos, queria poder dominar teus pensamentos ser tomado de teus carinhos e coberto por teus beijos. Gostaria de poder dominar o teu mundo, e viver tuas fantasias, queria ser o príncipe do teu reino encantado e contribuir com tua alegria para poder espantar a tua tristeza. Gostaria que tudo isso fizesse parte da realidade mesmo que só por um instante, desde que tudo isso fosse verdadeiro e ouvir de dentro uma voz dizer: Eu te amo! Mesmo que só por uma vez, fazer parte de tua vida e realizar os teus desejos. Ah! Como eu gostaria. Mas como não posso ter-te, contento-me com a força dos meus pensamentos. Pois sempre acreditei na força activa da mente e nas maravilhas do Amor. Pois quem recebe de nascença uma cabeça que pensa, um coração para amar, é feliz por toda vida e tem riqueza garantida, tem tudo que desejar.Gos

Publicado em amor, Sonhos | Deixe um comentário

 

 

Nada nunca irá apagar a chama do querer, do mal súbito que tem me acometido. No peito ainda pulsa a vida, na lembrança ficou a saudade do que nunca aconteceu. Ainda resta tão quente a brasa adormecida do Amor que se calou, mas não morreu. E nos meus devaneios de agora, ainda sinto o beijo ardente. O calor do corpo que outrora, já desejei loucamente. E na busca pelo sorriso da mulher muito mais que amada. Lágrimas de saudade teimam rolar pelo rosto, e solitário continuo minha caminhada por ruas desertas de madrugada. Saudade! Acredito que todos nós fomos confrontados por este sentimento que nos causa sofrimento, tristeza, nostalgia, aflição, esperança, dor. Quem não recorda com saudade os tempos passados, as coisas boas da vida, a infância dos vossos filhos, as vossas brincadeiras de crianças e adolescentes, os amores da vossa vida?! Quem não sofre com a ausência dos seus entes queridos, quer motivada pela distância, pelos múltiplos afazeres do dia a dia, pela perda de um amigo? É duro sofrer pela ausência de alguém que a distância afasta de nós. Ansiamos pelo momento do reencontro, por um forte abraço que nos parece prender para sempre a esse ser que aparece e desaparece das nossas vidas, proporcionando-nos momentos de alegria esfuziante, de ternura sem fim, de angústia na despedida, de esperança no novo encontro. Recordamos cada momento vivido com nostalgia, suave alegria, ansiedade e uma dor que cala fundo no nosso coração, mas que se vai atenuando com o abreviar do novo encontro. Em certos casos, a saudade é menos forte, pois as pessoas vivem perto ou mesmo junto de nós, mas o trabalho extenuante, as tarefas infindáveis, afasta de nós quem mais amamos e muito gostaríamos de poder partilhar mais momentos de convívio, mais opiniões trocadas, mais presença física daquela pessoa. Recordamos com saudade tempos passados em que, com menos conforto, menos luxo, tínhamos a alegria insubstituível desse alguém que almejamos ter sempre ao nosso lado. Mas quando nos bate à porta a saudade de alguém que já partiu para outro mundo, e hoje em especial no meu caso, meu Pai que fez parte da minha vida, que me apoiou nos momentos difíceis, me ouviu pacientemente quando estava angustiado, riu comigo nos momentos felizes, e chorou nos momentos de tristezas. Dispensou muito amor e ternura, essa sim, é a saudade eterna. Aquela que não finda aquela que nos faz sofrer para sempre, mas que também nos conforta ao sabermos que parte da nossa vida foi preenchida por alguém que muito nos amou, nos dedicou momentos inesquecíveis e continua a velar por nós e a dar-nos força para viver. Também é grande a saudade pela perda de um amigo que por afastamento, discórdia ou por interferência de terceiros, nos deixou uma lacuna difícil de preencher, uma ansiedade indefinida e uma réstia de esperança de readquirir a amizade perdida. Saudade, é sempre saudade! Pode ter uma conotação de alegria e de tristeza, de angústia ou nostalgia, de vazio ou desespero, mas será sempre um sentimento que afecta todo o ser humano e o faz rir ou chorar, reflectir ou tentar esquecer, mas sempre algo comum a todos nós. E, por vezes, como é bom recordar com saudade os momentos bons da vida, a dificuldade que tivemos a resolver os problemas que, com persistência e coragem conseguimos vencer, a alegria infinda das ocasiões cruciais da nossa vida, enfim aqueles que saudosamente recordamos com carinho. Outros há que são como punhais cravados nos nossos corações: morte de um ente querido, sofrimento e dor, lágrimas de sangue choradas, amargamente, em suma, perda, tristeza, saudade… Mas que seria de nós sem este sentimento que, como quase todos, provoca uma subida de adrenalina que tanto pode ser de Amor ou de dor. Saudade, sempre saudade!

 

Hc Poesias ®

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Pausa…


Depois de algum tempo de pausa, volto a minha pagina que tanta alegria me proporcionou. Aqui fiz amigos que os guardo até hoje no coração. No fluxo de nossa vivência, vamos garimpando experiên­cias. Nossos olhares são capazes de reter considerações que vão moldando o que somos. A imagem surge como os sentidos captando impressões. Depois dela, vem o conceito. O concei­to é o que permanece quando a imagem se esvai. É como o conhecimento que fica com o avançar da aprendizagem. Lan­çamos mão de excessos para que a viagem fique mais leve ou para que o compartimento dos nossos sentidos receba outras pessoas e novas amizades. O bom conceito é aquele que traz a companhia da bondade, da gentileza, do respeito, entre outros avidamen­te esperados. Esperamos como necessidade vital. Esperamos o amanhe­cer. Esperamos o entardecer. Esperamos a demorada cicatriza­ção da incómoda ferida. Esperamos um amor, a com­preensão. Compreensão apenas. Guimarães Rosa dizia que “esperar é reconhecer-se incompleto”. É na consciência de nossa incompletude que a espera ganha mais significado. Por que ainda não aprendemos a conviver com as diferenças? Medo? Ausência de Amor? Falamos de Amor para a pessoa amada, nos versos tristes de uma poesia, pois o poeta sabe amar, quieto e em silêncio. Sei que vais ler o texto, reconheces o meu silêncio e ouve o meu coração. Com tua magia me envolve em abraços e me afaga os cabelos, teus olhos me encantam, teu perfume me atrai, sei que me quer como a quero, sabes muito bem que se esconde em meus versos, e se desnuda em meu peito. Tu me tens em teus lábios e teu desejo é doce, e doce é o teu sorriso e seu perfume. É no silêncio dos nossos porões que habitam muitas razões. Fiquem em paz na minha paz…Paz do Sol

Publicado em saudades, Solidao | Deixe um comentário

Se não houvesse mais palavras…


Se não houvesse mais palavras…

Nenhuma maneira de falar,
Eu ainda poderia te ouvir …
Se não houvesse mais lágrimas…
Para expressar minha saudade,
Eu ainda sentiria tua falta…
E mesmo que o
Sol se recuse a brilhar…
E mesmo que uma poesia não rimar,
Tu terias meu coração até a eternidade…
Toda minha vida, eu tenho esperado
por tudo o que Tu fazes por mim…
Tens aberto meus olhos
E mostrado como amar sem egoísmo..
Eu sonhei com isso milhares de vezes,
Antes em meus sonhos não imaginava
Que poderia te amar tanto assim.
Eu te darei meu coração até a eternidade.
Tu és tudo que eu preciso, meu amor, minha namorada!
E mesmo que o Sol se recuse a brilhar…
E que as estrelas se recusem anoite iluminar…
Tu ainda terias meu coração,
para sempre e sempre…
Porque tudo o que eu preciso é de ti,meu amor.
Tu és tudo o que eu quero, meu Amor!
Eu te amo e sempre irei te amar!

Amo-te

Hc Poesias

Publicado em amor, poemas de amor, Sonhos | Deixe um comentário

Te Amo


 

→Tє αmO αgOrα
→Tє αmO depOis
→Tє αmO quαηdO fOr
→Tє αmO quαηdO chOver
→Tє αmO quαηdO fizer sOl
→Tє αmO αqui
→Tє αmO lá
→Tє αmO em todO lugαr
→Tє αmO quαηdO tu estiveres αo meu lαdO
→Tє αmO quαηdO disser αdeus
→Tє αmO o diα todO
→Tє αmO todOs os diαs
→Tє αmO ηos meus soηhOs
→Tє αmO ηos momeηtOs mαis felizes
→Tє αmO ηos momeηtOs mαis triste
→Tє αmO ηos momeηtOs mαis difíceis
→Tє αmO αo sOrrir
→Tє αmO αo chOrαr
→Tє αmO de seguηdα α seguηdα
→Tє αmO intєnsamєntє
→Tє αmO de um jeitO simples
→Tє αmO de um jeitO complicαdo
→Tє αmO de um jeitO diferente
→Tє αmO ηαs melhores e piOres fαses
→Tє αmO quαηdO estOu contigo
→Tє αmO quαηdO nao estOu contigo
→Tє αmO αo Ouvir αquelα músicα
→Tє αmO αo Ouvir todαs αs outrαs
→Tє αmO no verãO
→Tє αmO no inverηO
→Tє αmO quαηdO tdO mudar
→Tє αmO quαηdO tu errαs
→Tє αmO quαηdO tu chOrαs
→Tє αmO quαηdO tu sOrris
→Tє αmO hoje…amanha…
SEMPRE! ahh… nao sei explicar… Tu és tudo pra mim, Amor

Publicado em amor, Lua, Estrelas & Sol, poemas de amor, Sonhos | Deixe um comentário

MEU JURAMENTO DEFINITIVO DE AMOR POR TI!


Juro-te Amor eterno, mas não o amor insano que não se preocupa em durar
O amor que eu juro é de alguém que nunca irá partir….
Juro-te maior amor… aquele que é cultivado em um jardim
secreto e regado com a mais pura das águas: a
compreensão…
Juro-te cada segundo, mesmo as horas que não me pedires darei
todas a ti…
Juro-te belas palavras, sobretudo as de conforto que são
necessárias durante toda a vida pois ganhamos e perdemos
coisas e pessoas todos os dias.
Juro-te meu colo e palavras lindas vindas do meu coração, para quando
quiser chorar e lamentar algo, tenha onde se
esconder e se abrigar
Juro-te meus olhos fixados no seus como se houvesse
somente nós 2 no mundo .
Juro-te minha mão sobre a tua quando estivermos
caminhando na praia ou mesmo na rua, pois isso é algo maravilhoso para mim.
Juro-te plena atenção e a paz que tu tanto almejas encontrar
e quando precisar de mais estarei disposta a dar-te.
Juro-te discrição e silencio quando precisar e desejar…
Juro-te o perfume das rosas a cada dia por toda vida, para que
as coisas podres do mundo não cheguem até ti.
Juro-te sorrisos e risadas, para que vejas que no mundo
não exitem somente tristeza e decepções.
Juro-te o pôr-do-sol a cada manhã e o brotar de flores a cada
primavera, lutando para que permaneçam no outono
e vençam o inverno, assim como é a força do nosso amor.
Juro-te a lua e as estrelas para clarear as noites que
parecerem as mais escuras e o sol para te aquecer
Juro-te admirá-lo com orgulho e com humilde julgamento…
Juro-te defendê-lo em seu direito de falar e em teu momento
de calar.
Juro-te estar contigo hoje e amanhã!
Juro-te o meu corpo para que se queime em meu calor!
Juro-te fidelidade eterna!
Juro-te sinceridade, paixão, amor e desejo eternos!
Juro-te que as alegrias que te darei vão fazê-lo esquecer as lutas que foram
travadas, e todas as lágrimas derramadas.
Juro-te essas promessas, pois juro-te meu amor e minha vida…
e mais que o meu amor já jurado…
somente o meu coração
e o meu coração…
já te pertence!!

A minha felicidade tem o teu nome, a tua
forma, e o teu
cheiro meu grande e unico Amor
Agradecer-te por fazer-me tão
feliz, será pouco; portanto,
digo-te apenas a única frase que conheço capaz
de resumir
tudo o que sinto por ti:
Amor… eu te amo e pra sempre vou
te amar!

Hc Poesias

Publicado em amor, Lua, Estrelas & Sol, Paixão | Deixe um comentário

Oh…se te Amo


Texto dedicado a alguém, mas com sabor a Adeus.
Amor é vida e como tal, pode ser longo, curto, rico, pobre, e tantas vezes enfermo.
Por vezes tem cura, outras, não.
Umas vezes possível, outras impossível!
Por mais que se lute o fim é a nossa única certeza…
E, tal como já o disse noutro texto,
Quem sabe, se o amor impossível é na realidade o amor verdadeiro e que por ser irrealizável é que o torna tão belo!
O negrume sensabor é agora o lugar onde me oculto, a sombra a minha companhia que ainda teima em abraçar-me e o silêncio o ombro amigo que me apoia.
Fiquei tempo demais mergulhado em mim mesmo.
Deito meu corpo em lençóis de fantasias e deixo-me ali ficar em plena e constante letargia.
Ontem, a noite foi apenas um espaço entre dois dias.
Já perdi o voar no espaço aberto da noite, já não acarreto na ponta dos dedos os caminhos dos sonhos. Perdi a liberdade de voar, deixei as convicções caírem e os sonhos dormiram e não mais despertaram.
Estou inerte, mas vivo. Até quando, não sei.
Sei que já não consigo iluminar os céus porque os meus olhos perderam o brilho. Pergunto-me onde estão os sentimentos, a essência do amor, a paixão dos instantes em que nos oferecemos?
Interrogo-me como podemos perder-nos e não mais nos encontrarmos?
Não sei onde estou, perdi a noção do espaço, do tempo, deixei o vazio vestir o meu corpo, deixei a solidão tomar de assalto a minha alma mergulhando o espírito nas águas frígidas do infinito e profundo oceano.É esta solidão que me ajuda a esquecer as juras de amor que de ti esperei.
Que estranha forma de amar?
Por vezes penso que és como uma ave presa numa gaiola imaginária, amarrada a mil teias que te mantêm presa a ninguém.
Não sei se existem milagres!
Não esperes que eu te abeire montando um asterismo de estrelas, qual príncipe encantado que te usurpa às garras do mítico drago de língua de fogo.
Não busques em mim, o paraíso perdido, qual Eva prestes a comer da maçã do pecado, procurando nela a salvação desejada.
Sou apenas uma utopia, que noite a fio passa na tela do teu desencanto, uma só melancolia, ou tão-somente um drama no próprio palco da tua vida quando deambulas pelas avenidas nuas das noites frias, de mãos dadas com ninguém, por entre a lividez da luz, silenciosos e sós.
Não sei se existem taumaturgos!
Por não o saber, irei sentar-me, numa rocha à beira do mar, e ver flutuar nas ondas as gaivotas estridentes, vidas que passam sem se deter, na corrente do dia-a-dia.
Que estranha forma de vida…
Não sei! Sei, que não tem qualquer importância os corpos que usei, os semblantes que vesti, os mundos que vivi, as noites que não dormi, as saudades que senti.
Amar com a limpidez transparente da água, sentir a maviosidade da pura seda, é mais que tudo aquilo que possa ter sido, e, se até este instante não sabia decifrar o sentir, a partir daqui não saberei mais o que é, não amar assim.
Recebi o teu abraço, senti cada fragmento da tua pele colar-se a mim, as tuas essências penetraram-me os sentidos e o meu corpo tremeu ao receber-te em mim.
Quis conhecer o aroma da tua boca, o paladar da tua pele, o toque do teu olhar em mim.
Desejei sentir a emoção do teu abraço apertado, das palavras que em silêncio falámos.
Pretendi degustar o líquido que corria em teu corpo, ecoar em ti, e contemplar o paladar do prazer transbordar como uma cascata de água límpida e vítrea.
Afinal o amor domina, e o teu coração palpita ainda no meu triste peito.
Que estranha forma de vida… Que estranha forma de amar…
E… Se te amo…
Oh, se te amo

Se não tenho

Oh, a vergonha

De o escrever

Quinta do Bill (Se Te Amo)
Publicado em O meu Livro, Sonhos | 1 Comentário

Hoje sinto-me…


Hoje sinto-me… como ontem.
Sinto-me uma barca sem remos que deriva nas águas ansiosas sem poder mudar a rota.
Um soçobro disposto a permitir que os seus alvéolos se inundem de água para que o fim chegue mais célere.
Um inço que abusivamente cresceu no quintal do teu contentamento.
A vida começa a pesar, o caminho agreste aproxima-se da meta há muito delineada.
Hoje sinto-me… como ontem.
Hoje sou um homem triste, ontem fui alguém melancólico.
Sei que deixo nas ladeiras que galgo os meus passos trémulos e vagarosos da senescência.
A soledade penetra o meu corpo como agulhas, que me rompem a pele gretada pelos anos.
As minhas mãos afáveis, já só encontram a futilidade…
Hoje sinto-me… como ontem.
No meu cérebro existe uma réstia de recordações que me fazem viver. Espreguiço o meu olhar em memórias envelhecidas. Recordo-me de ti.
São tantos os objectos que me assaltam a lembrança de tempos tão longínquos; são tantas as películas que me fazem sorrir ao sentar-me naquela época em que a felicidade era mesmo feliz e não amargurava.
O tempo tinha outro sabor. Os dias ditosos pareciam não ter fim, os menos bons, eram poucos, e nem tinham, o tempo que o tempo tem, para nos perturbar.
Hoje sinto-me… como ontem.
E hoje como ontem relembro a primeira vez que te vi. O primeiro dia que te amei, a primeira noite em que te plantei no jardim do meu coração, no íntimo da minha existência.
Encosto o meu sorriso à tua recordação e deixo-o escorrer por todo o teu corpo, numa viagem pelo ontem.
Quero olhar o ontem com os olhos de hoje cegos de brilho até os sentir lacrimejar num murmúrio silencioso.
Ir mais longe num voo trémulo de um pardalinho garamufo até aterrar na génese do meu ser.
Hoje sinto-me… como ontem.
Pesa-me nos ombros o xaile árduo de mágoas e penso em ti, em nós, no que fomos ontem e o que somos hoje, e a minha alma demente chora de saudade! O que é feito de nós? Já não suporto as ínsulas que habito, os rios de gelo que me correm nas veias, que me afogam em nostalgias perversas.
E viciosa é a indiferença que habita em nós. É uma azagaia maldita, que nos atinge a alma e nos fere gravemente tornando-nos alvo de um flagício sem testemunhas, porque apenas o som do silêncio nos grita que estamos vivos.
Hoje sinto-me… como ontem.
Mas hoje quero abeirar-me de mim para perceber porque tenho medo do mundo que me rodeia. Tenho pavor da vida, desta viagem conturbada e perigosa. E nesse percurso ensaiamos, alegria, tristeza, prazer e dor.
O tempo é tão veloz que chega a aterrorizar, e corremos como loucos com medo, que o tempo, não nos dê tempo, para vivermos o nosso tempo.
Hoje sinto-me… como ontem.
Porque ontem deitava-me no alcatrão quente da estrada da juventude até largar pedaços de pele das costas que formaram cicatrizes que me incomodam hoje.
Hoje quero sujar as mãos de terra com o mesmo regozijo que ontem a rasgava fazendo covas com as unhas de menino travesso para jogar ao berlinde.
Hoje, quero embriagar-me com o teu odor mélico, e perseguir-te tal zangão que ontem te torneava o corpo delicado de menina frangível.
Hoje sinto-me… como ontem.
Hoje sinto uma vontade louca de galgar o muro que nos separa. O muro que ontem não existia, o que me possibilitava ver os teus olhos, repletos de vida, ouvir o teu sibilante sorriso que brotava dos teus lábios com água brava de uma cascata.
Todavia o muro existe e como separa países, também separa paixões. Esse muro com o tempo foi se tornando mais pedregoso. Foi ganhando um emaranhado de rudes silvas e enegreceu com os invernos ferozes que vivemos.
Hoje sinto-me… como ontem.
O meu medo ressuscitou.
Passei a sentir a viagem no tempo como montando um comboio fantasma. Em cada curva, uma teia me esvoaça pelo rosto, em cada esquina, um espectro me assusta.
Ontem, como hoje não sou noite, nem sou dia, não sou luz, nem sombra; sou tudo e sou nada, sou todos e sou ninguém, sou terra e sou mar, sou tragédia e sou comédia, sou amor e sou ódio, sou palavra e silêncio.
Quero ser verso, mas sou prosa, quero ser razão, mas sou emoção, quero ser poeta mas sou o avesso do trovador.
Gostava de ser teu adorno e não passo de um empecilho que não te enfeita.
Sou simplesmente alguém que sonha, dorme e acorda, no intervalo da vida…
Hoje sinto-me… como ontem…
E o futuro será apenas amanhã.
Publicado em O meu Livro, Solidao | 1 Comentário