saudade


Ensinou-me a Vida tanto
Desde a tua partida
Que angústia, e que pranto
Que Tristeza desmedida

Partiste meio a sorrir
E numa Paz tão merecida
Parecias estar a dormir
Na hora da despedida

Porém não cheguei a tempo
De me despedir de Ti
Inolvidável o momento
Tristeza igual nunca senti

Partiste, mas estás presente
Em cada flor do meu jardim
E o coração não mente
Sobre o Tudo que és pra mim

És o Sol que me aquece
Alumia-me a tua Luz
És a lua que enternece
E a estrela que seduz

Foste Vida não-vivida
E mágoa silenciada
Que existência tão sofrida
E tanta dor calada

Pudesse eu minha Mãe querida
Mudar esta realidade
Trazer-te de volta à Vida
E matar esta saudade

Que emoções em turbilhão
E a léguas de entender
Repito ao meu coração,
“Acaba com este sofrer”

São tantos os momentos
Que te relembro ao pormenor
Mas são todos tão intensos
Que saudade, e tanta dor!!!

Tocar ao de leve o teu rosto
E tua suave mão apertar
Nada me daria mais gosto
Poder-te de novo abraçar

Partiste e eu muda, grito
Para que todos possam ouvir
Já o disse, mas repito
És a razão do meu Sentir

Choro a tua ausência, é verdade
E não sei viver assim
E na minha realidade
És muito, és mesmo Tudo pra mim!

Resta-me então escrever
Esta homenagem singela
Para apaziguar este sofrer
E lembrar o quanto és bela

Dói-me a tua ausência
É impossível de suportar
Eterna é a tua presença
E eu, vã, existo para Te amar!

Anúncios
Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Eu


“… E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos,julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Sem timoneiro


SEM TIMONEIRO

Assomei à janela do tempo e recordei a barca do teu olhar.
Sorvi na maresia das águas profundas as meias luas de promessas
E nas tuas redes vítreas rememorei cardumes de esperanças
Quando no verde da tua íris perdia o pé e me enredava na tua espuma
Quantas ondas, quantas marés, quantos maremotos naveguei!
Marinheira de água doce, com mestre de embarcação…

No barco ancorado do teu corpo aportei sem sobressalto
E voguei ao sabor dos dias e das noites com sabor a estrelas.
Flor de sal, alegre salpico de vida e de mar…
Veleiro enfunado de brancas velas de vitória
Regatas prazeirosas, sulcando doces vagas
Ventos de búzios entoando cantos de sereia.

Mas eis que uma tormenta assolou meu batel ao largo
Arrastado pela corrente deu à costa canal acima
E foi soçobrando numa ria de moliço
Que enlaçou meus remos e esverdeou meu casco
Cobrindo de perenidade e de algas minha proa altiva
Descerrando minha bandeira de afoita navegante.

Minha embarcação perecível naufragou nas águas salubres
E ancorou, sine die, no estreito quieto e aquoso
Na margem da vida, estibordo da saudosa partida
As cores de festa esmoreceram na ausência das viagens de mar alto
Entristeci nas águas paradas, no lodo do cais.
Sou moliceiro de Aveiro: não tenho moliço, nem timoneiro.

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

São Valentim (carta de Amor)


Aveiro, 13 de Fevereiro de 2012

Meu Amor.

Te amo com todas as forças do meu pensamento, sei que nada e ninguém mudará o que estou sentindo. Se algum dia eu chegar a não mais te ver, continuarei a te levar no meu pensamento; Se eu não mais ouvir a tua voz, sentirei a cada segundo o seu sussurrar aos meus ouvidos. Como posso eu saber o que sinto Se além de mim, O que tenho és tu? Não sei de nada. Apenas sinto. Pois é no toque da tua pele E no pulsar do teu sangue que o meu coração arde. Como sentir sem saber de onde vem, Mas exactamente onde me vai levar? Tudo o que sei é que te quero. Tudo o que sei é que sem ti, eu não me encontro a mim mesmo. Tudo o que sinto é o meu corpo a arrepiar, Quando escuto tua voz. Tudo o que sinto é o meu coração pular quando penso em ti,e o que mais sei é que sinto Um amor muito forte… Por ti. Se acontecer de algum dia eu não mais sentir teus abraços, o teu calor, pode ter certeza que te levarei sempre em mim. E se eu chegar a ficar sem os teus beijos. Tu podes ter toda certeza; que meus lábios chamarão pelos teus. E se acontecer de um dia eu ficar sem o teu Amor? Ah, mas não vai mudar muito. Porque o meu por ti será eterno. Se a distância nos separar eternamente, e nunca mais te trazer p’ra mim? Não vou me preocupar tanto assim… Porque de uma coisa eu tenho certeza, nossos pensamentos para sempre nos unirão. E sei que nosso amor é tao grande, e que nada destruirá o que sentimos um pelo outro. Nosso Amor sim, é eterno. Amo-te, e sei que me amas. Obrigado por me fazer feliz. E não canso de dizer: Eu Te Amo Querida.

 Hc

Publicado em amor | 5 comentários

6ª Carta


Vivo cada dia, aguardando um contacto, um sinal, uma lembrança. Vivo cada saudade, com ternura, recordo os melhores momentos. Enfrento o dia, encaro a realidade, mas nunca me esqueço de ti.

Todos os dias da minha vida vejo-te nos meus sonhos, todos os desejos de felicidade, ofereço-te protecção em todos os teus caminhos. Na escuridão, o teu olhar iluminava-me, guiava-me ao certo. Sinto a tua falta, mesmo sabendo que estou mais próximo de ti do que possas imaginar. Enquanto viver, irei amar-te em silêncio, porque foi o que me restou.

Até que ponto chegou este amor que se transformou em saudades, em lembranças, lembranças boas, lembranças más. Prefiro ficar com as lembranças boas porque são elas é que confortam a minha alma.
Tu disseste que me adoras, mas afastas-te de mim lentamente, quase parada, mas ao mesmo tempo decidida a não voltar. Tu disseste que eu sou teu, mas abandonas-me, deixas-me na amargura, na ansiedade sem notícias tuas.

A que ponto chegou o nosso amor. Que fica nesse vai e vem sem solução. Meu amor! Que bom seria se houvesse um diálogo, aquele chamado de ponto nos is para que possamos conversar e tirar todas as dúvidas que atormentam o nosso pensar e que deixa o nosso coração tão triste, sem rumo a tomar.
Dizem meu amor, que o “tempo cura tudo”, mas o meu tempo adormeceu entre o gelo do inverno passado, mesmo na primavera, com a chegada do verão não conseguiu descongelar totalmente, apresentando uma fria lágrima derramada por ti.

Sabes meu amor, um dia vamos rir de tudo o que aconteceu, por tudo o que passamos, por tudo o que sofremos, a distância, as palavras duras que nos atingiram em cheio, por termos almas sensíveis que não se adequada à rudez de um momento impetuoso. Sei que vamos sorrir muito. Um dia quem sabe meu anjo, possamos encontrar nem que seja na eternidade e de mãos dadas vamos caminhar; caminhar ao encontro da felicidade!

Agora só quero que fiques em paz meu amor, eu amo-te!

 

 Hc Poesias ®

Publicado em poemas de amor | 1 Comentário

7ª Carta


Agradeço por te ter conhecido, não haverá momento algum em que eu me arrependa por teres surgido na minha vida com contornos de um anjo que Deus me enviou. Lembro-me da alegria que senti naqueles momentos, tudo foi perfeito e maravilhoso. Não foram coincidências o que aconteceu, nós simplesmente nos encontrámos na hora certa e no lugar certo. Surgiste do nada, mas fizeste uma profunda mudança na minha vida, tu eras quem eu simplesmente sonhava todas as noites e perguntava-me onde estava essa maravilhosa mulher. Tu surgiste e tornaste a minha vida mais rica, mais completa, com mais esperança para os meus dias.

Contigo meu amor soube o que era amar. O amor que sentia por ti fazia-me sorrir quando pensava em ti, quando ouvia a tua voz, quando sentia o sabor do teu beijo. Sentia-me seguro com as nossas conversas pela madrugada dentro, tinha a paz desejada quando cantavas para mim ou contavas histórias de Princesas e Príncipes, em que nós éramos os actores principais. Todo o tempo que passava contigo, tentei aproveitar ao máximo, não descurando um segundo sequer que fosse por ser o “tempo” mais bonito de toda a minha vida. Adorava ficar ao teu lado, sentir o teu abraço, abraço esse que hoje sinto imensa falta. Adorava o teu cheiro, o teu calor, sentir-te simplesmente bem perto de mim. O nosso primeiro beijo fez-me acreditar que era possível realizar todos os meus e os teus sonhos. Fez-me sentir um amor puro e verdadeiro quando os nossos lábios se uniram e os nossos corações bateram num ritmo uníssono. Eu preciso tanto de ti.

Tu foste a única que me fez esquecer todas as dores que a doença me conferia e ainda confere, mas hoje não estás comigo para as esquecer, agravando-se com as saudades que sinto. Nunca quis acreditar ou aceitar que um dia existiria uma despedida entre nós, sempre acreditei que estaríamos juntos o resto das nossas vidas. Puro engano! Se tivesse acreditado na realidade em que tudo se transformou, teria inventado uma fórmula para congelar o tempo e com certeza escolhia como momentos o nosso primeiro beijo, o nosso primeiro encontro. Mas já não há mais tempo, o nosso tempo simplesmente acabou. Depois da despedida que verdadeiramente nunca aconteceu, tu seguiste o teu rumo e eu segui o meu. Os nossos dedos deixaram de estar entrelaçados e as minhas mãos arrefeceram sem o calor das tuas.

Apenas quero dizer uma vez mais, se ainda lês o que para ti vou escrevendo, que podes ter a certeza, que eu nunca irei esquecer-te meu amor, mesmo se já não pertencemo-nos um ao outro. Aos poucos foste saindo da minha vida em resultado desta tua ausência. Foram inúmeras as vezes que pedi para voltares, não interessando de que forma, com ou sem outro amor, apenas pedi o teu regresso até mim. Levas um pedaço da minha alma para sempre, porque tu és eterna. Não quero que penses que sofro por tua causa, esse tempo também já não existe mais, existe apenas a saudade daquilo que fomos um dia. Se puder pedir alguma coisa a ti, quero que fiques feliz pelo simples facto de ter tido a oportunidade de amar-te e não te esqueças deste amor. Mesmo quando os anos marcarem a tua vida, lembra-te deste amor e sorri, para onde quer que eu esteja possa sentir esse teu sorriso e saber que ainda pensas em mim.

Nunca te pedi nada em troca, no amor nada se pede, estavas dentro de mim deixando-me completamente preenchido. Mesmo nos momentos de distância, eu procurava-te dentro do meu universo, encontrava-te e voltava a sonhar. Em cada momento, em cada pensamento, em cada palavra escrita ou pronunciada, tudo foi sincero. Não imaginas o quanto me fizeste feliz, desculpa se não fui capaz de transmitir-te essa felicidade. Hoje tenho a certeza o quanto fui feliz enquanto estiveste ao meu lado. Resta agora dentro do meu coração uma saudade, saudade de ti meu amor.

Compreendi que tinha que deixar-te partir da minha vida, mesmo que ainda não saiba o verdadeiro motivo, apenas tive que aceitar. Se disser que foi ou está a ser fácil, seria a maior mentira que diria em toda a minha vida e mesmo que os nossos caminhos jamais se voltem a cruzar, eu decido seguir em frente e feliz. Quando olhar para trás tu estarás lá, fazendo parte de um momento especial da minha vida e uma vez mais com muita saudade. Espero que encontres alguém que te complete e tenhas a capacidade de entregar a esse amor como eu me entreguei. Desejo-te toda a felicidade do mundo.

Da janela vejo uma noite escura e os pingos da chuva que estão agora a cair, dão-me a certeza de que nunca vais voltar, as minhas lágrimas vão embaraçando a visão, aos poucos a tua imagem vai-se dissipando e para amenizar a saudade guardo na retina a tua face, deixando nela um beijo para não me esqueceres mesmo na hora desta minha despedida.

 

Do sempre teu,

 

Hc Poesias ®

 

Publicado em saudades | Deixe um comentário

8ª Carta


O dia esteve com cores cinzentas, o sol mal conseguiu romper por entre as nuvens e a chuva voltou a cair. Esteve um dia propício à explanação dos pensamentos e ideias. Não sei o motivo que me sinto com uma atmosfera envolvente para expelir o que de mais profundo tenho dentro de mim. As músicas acompanham-me, as palavras começam a fluir para esta folha em branco, o meu coração bate a um ritmo descansado e em paz, talvez enfeitiçado pelo chamamento das gotas da chuva que vão caindo nos beirais dos telhados, ora calmas, ora com mais força, deslizando por entre o ar, misturando-se com o vento, com os cheiros, com a pele, com a natureza.

Num Mundo tão atribulado são cada vez mais raros os momentos que temos oportunidades para conversarmos connosco, desabafarmos com o nosso Eu, desabafar com Deus. São nestas alturas que encontras respostas ou factores que desconhecemos ter. Por vezes temos a sensação que não nos conhecemos de tão ausentes que nos encontramos de nós mesmos, e é verdade. O Mundo consegue-nos contagiar e afecta quando não conseguimos ser sinceros. Negamos constantemente os nossos sentimentos mais intensos, os nossos pensamentos e os nossos ideais. Existe uma vergonha de assumirmos quem somos perante uma sociedade imperturbável, eu tento afastar-me deste conjunto, tento não ficar à espera de mais um dia chuvoso para que os meus pensamentos destilem na minha cabeça, quase imperceptível, mas com uma pureza e de única verdade. Hoje isso acontece.

Hoje poderei escrever que estou só, não uma solidão com uma ausência de pessoas ou de mim, mas uma solidão que ao ver a chuva cair, faz com que pense em ti. Aliais, penso em ti todos os dias, todas as horas e a todos os momentos. Vejo-te a andar na rua na minha direcção com um sorriso doce, um brilho no olhar e dizeres que sou a tua Princesa, num Mundo onde já não existe fantasia e as Princesas só existem em contos infantis com finais felizes, isso sempre acontece, como sempre acontecerá seres a minha pequena Princesinha. Vejo-te a deitar-te junto a mim na mesma cama que já nos uniu e dizes-me que tens frio, com um olhar terno, enquanto eu acaricio-te o cabelo. Abraço-te com todas as minhas forças sabendo que será a última vez que o faço.

Olho a chuva, mas não já não te vejo, está frio e eu deixei de sentir o teu calor. É estranho mas até sinto falta de quando “ralhavas” comigo, hoje eu sei que era para o meu bem. Melhor que tudo era a tua presença, a tua simples companhia bastava para aquecer a minha alma e inundar o meu espírito de alegria. É tudo tão mais feliz quando pensamos no nosso bem-estar. Agora a chuva cai com mais intensidade, o vidro enche-se com milhares de gotas, não deixando lá fora o Mundo visível, o Mundo lá fora também há muito que não me interessa, eras tu que davas sentido à minha Vida, tu eras o meu Mundo. Ainda consigo sentir o teu cheiro, ainda consigo lembrar os contornos do teu rosto, o teu cabelo quando bailava ao vento e por vezes chego a pensar que tudo não passa de um pesadelo e que amanhã chegas até junto de mim e aninhes no meu colo desejando os meus carinhos, o meu amor. Mas esse amanhã nunca mais chega, nem chegará mais. As horas passam, a chuva continuar a cair, as esperanças vão desvanecendo-se. Se te encontrar não vou saber o que dizer, importará saber? Ficarei sem reacção e contemplarei o teu rosto, eu gostava tanto de ti, embora por vezes não o tenha demonstrado da melhor forma.     

Continuo a escrever-te porque a atmosfera que me envolve vai de encontro ao meu estado de espírito e apenas este papel é capaz de entender, acompanha o correr dos meus pensamentos. Sempre fui muito sensível a escrever, tu sabes, mais ainda quando o motivo da escrita eras tu. Aliais, se hoje escrevo foi pelo motivo de me teres incentivado. Querias que utilizasse o meu dom (como tu dizias) e agora recordo-me quando estávamos sentados na mesa do café com os nossos familiares e a propósito do tema da conversa, disseste em tom bem audível e cheia de certezas que nem mesmo os melhores escritores da história são capazes de superar tudo aquilo que escrevia para ti. Lembras? Eu não esqueci. Por isso contínuo a escreve-te onde quer que estejas, enquanto as minhas forças permitirem, eu irei-te escrever-te. Agora que não estás, mais ainda, só a escrever consigo preencher o vazio que deixaste.

A vida é tão simples dita por palavras! Se eu conseguisse dizer tudo o que vai na minha alma, tudo aquilo que estou a escrever, provavelmente hoje desfrutaríamos juntos este dia chuvoso, estaríamos felizes. Mas eu agora estou só e só vou continuar até este dia chuvoso chegar ao fim. Já não falta muito.

 

Do teu, 

 

Hc Poesias ®

Publicado em poemas de amor | Deixe um comentário

9ª Carta


O tempo passou, eu passei por ele e toda esta ausência se manteve. Procurei motivos teus e meus para encontrar a razão e não encontrei uma que fundamentasse o que aconteceu. Entre outras que possam ter surgido, em nenhuma reconheci a sua veracidade. Foram inúmeras as tentativas para levar-te para o Mundo dos esquecimentos, sempre acreditando que aquela seria a altura mais que certa para esquecer, largar, matar todo o amor sentido por ti. Acontece que a esperança e o amor juntos sempre venciam e não seriam necessárias muitas horas para voltar a acreditar no sonho que mantive bem aceso de um dia este amor seria vencedor e juntos pudéssemos viver uma vida a dois como sempre desejei e acredito que tu também o desejaste. Os planos que juntos delineámos, todos os objectivos traçados, os nossos sonhos, a nossa cumplicidade, o nosso querer eram os motivos para acreditarmos que se existe a nossa alma gémea, tu eras sem dúvida a minha. Gostava em ti aquilo que em mim não tinha, gostavas de mim naquilo que dizias sentir falta e creio que era exactamente ai que dávamos continuidade aos nossos seres como um todo.

Na realidade, nada aconteceu conforme eu acreditei que viesse acontecer e a cada dia que passa a distância entre nós vai aumentando, mesmo que eu ainda peça um último encontro e para quê perguntas tu? Para agradecer-te os dias, meses e anos de ter tido o privilegio da tua presença na minha vida. Se tivesse tido a noção do quanto me era importante, certamente que não abriria as minhas mãos tão facilmente. Quero aproveitar esta oportunidade também para agradecer as saudades que por ti senti, os sorrisos que me fizeste sorrir, os beijos e abraços que demos. Agradeço todos os presentes que me deste e aqueles que não deste, mas tiveste intenções de dar. Quero agradecer o casamento que planeámos e não se realizou, dos filhos que ambos gostaríamos de ter tido, das noites, dos dias que passamos a conversar quer tivesse sol ou chuva, uma lua brilhante ou a ausência dela, quer estivesse frio ou calor, Outono ou Inverno, Primavera ou Verão. Agradeço cada pôr-do-sol que juntos não podemos assistir, mas em todos eles estiveram bem presentes dentro da nossa imaginação. Não posso esquecer de todo o amor que fizemos e deixámos outro tanto para amanhã, amanhã esse que nunca chegou, mas que jamais posso deixar de agradecer. As discussões que tivemos e todas elas serviram como aprendizado, as reconciliações depois das discussões eram prova deste amor, isso também quero agradecer. Agradeço por me teres ensinado imenso, os carinhos que me deste e todos aqueles que não deste. Obrigado por teres feito parte da minha vida e por continuares a fazer parte, de maneira diferente, eu sei, mas certo que continuas a ser parte de mim. Agradeço por último pelas todas as outras coisas que agora não me lembro e certamente não deixam de ser importantes.

Escrevi inúmeras palavras, todas elas com muito amor, carinho, sinceridade e desejo de felicidade que foram dirigidas a ti. Apelei aos rios e montanhas que levassem para junto de ti toda a minha saudade e ao mesmo tempo era assim que ias mantendo dentro de mim. Lembro-me de tantas coisas e outras tantas que tentei expressar, tornando-se a finalidade destas linhas, portadoras de todos os meus sentimentos, testemunhas do que por ti senti. É neste caderno de linhas coloridas que deposito as palavras que são minhas, mesmo que se tornem repetitivas, todas elas eu te ofereci como se me pertencessem. A minha vontade sempre foi ficarmos juntos, não digo para sempre, mas um dia de cada vez, o resto das nossas vidas. Sei que senti amor verdadeiro, quem sabe o único amor de toda a minha vida e sabes porquê que digo isto? Porque confesso que amei alguém tão sensacional, amiga, companheira, brilhante, intensa, verdadeira, especial e única. Este amor que depositei nas tuas mãos, esqueci dizer para as fechar e guardares esse amor, ele sempre foi teu, sempre te pertenceu.

Chegou o momento do silêncio entre ambos, as palavras que se deixaram de trocar, as recordações tornam-se mais fortes, as perguntas e os porquês deram lugar á troca de mutuo amor e a voz do meu amor aos poucos se silencia, dando lugar à separação quando tudo fica paralisado e quem sabe se os nossos desentendimentos terminaram com este amor. Hoje ainda digo por uma última vez que ainda te amo, mesmo com todo o silêncio que reina entre nós e que mesmo assim, ainda ilumina a minha vida e vai enchendo o meu coração de amor. O teu sorriso foi como um raio de sol, rico, puro, suave e bonito, sendo capaz de tocar a minha alma que estava fria sem ti. Ainda te amo e quero acreditar numa última vez que nada será possível nos separar e toda esta ausência se deve ao tempo que dedicámos aos nossos afazeres e logo, logo estaremos juntos num abraço demorado.

Ninguém segura o amor entre duas almas gémeas, os seus gritos são ouvidos nos quatro cantos do universo, o aroma perfumado dos corpos espalha-se entre as flores, onde um estiver o outro estará ligado pelos fios do pensamento, e só Deus, pode explicar o porquê de nascerem na mesma época para viverem apaixonados e separados. Não sei quanta dor já senti, não importa, importa tudo aquilo que juntos vivemos e eu não quero ficar mais preso. Quero a liberdade de viver sem ti e não penses que estou a julgar-te, sempre me concedeste toda a liberdade. A liberdade com um novo colorido de felicidade, quero de novo os meus sonhos, aqueles que fui guardando e ficaram esquecidos pelo tempo. Aprendi de novo a ser feliz, sem ti e uma vez mais fico sem palavras, porque não foi fácil, não é fácil deixar-te sair dentro de mim, só que a razão é mais forte que o próprio coração e eu liberto-te, liberto-me para onde, ainda não sei, talvez para um outro Mundo para que possamos ser um só amor…o nosso amor! Até sempre.

 

Hc Poesias ®

Publicado em poemas de amor | Deixe um comentário

De repente acabou..


Escrevo-te esta carta para dizer que já não sei o que sinto por ti, sei que jamais sentiste por mim o mesmo, nem te culpo por isso, a culpa não existe. Foram anos do teu lado, foram simplesmente perfeitos. Talvez tenha amado de maneira errada, amado involuntariamente, amado desesperadamente. Um amor que jamais senti igual, nem parecido. Amor que causou inveja, por ter sido dedicado a ti a cada minuto do meu tempo, e foi a ti que entreguei os meus preciosos sonhos. Dei-te a semente, mas tu não soubeste que tinhas de a regar. A semente morreu, por não ter vingado, talvez faltasse chuva, não sei. Mas sei que morreu. Atravessei momentos de tristeza quando senti o vazio da tua presença, momentos de total solidão, triste quando eu quis um conselho e não poder ligar para te poder ouvir, triste quando sentia saudade, quando olhava para o mar ou para a Lua e em tudo trazia as recordações. Tentei olhar o lado positivo, naquilo que amadureci com tudo isto, fiquei mais forte. Transformei o vazio de não te ter, em liberdade de poder voar para onde quiser, pensei em continuar a sonhar com aquele dia que voltaria a ter-te nos meus braços, alimentando esperanças, mas resolvi parar, se nada deu certo, não creio que um dia iria resultar, até porque não tinha como ficar a prestar-te atenção, aquela que tu recusas a dar. Porque até quem nunca pediu colo, um dia sente falta. É isso que acontece, eu sinto a falta do teu colo, do teu carinho, mas o mesmo carinho, da mesma forma que eu te dei. Jamais vou ter, paciência. Não se pode colar asas nas cobras, não se poder obrigar ninguém a retribuir o amor que sentimos por alguém. Essa é a lei. O amor que tu não foste capaz de me dar, um dia alguém receberá por livre e espontânea vontade de ti. E o amor que eu senti por ti, e tu achaste que devias recusar em recebe-lo, será um presente para uma outra pessoa mais tarde, que seja eterno enquanto dure, e se acabou, acabou. Há muito que não insisto no que se passou. Afinal, já passou. Já chorei e já sorri; A vida se renova e disso não dá para fugir.

Publicado em poemas de amor | Deixe um comentário

9ª Carta


O tempo passou, eu passei por ele e toda esta ausência se manteve. Procurei motivos teus e meus para encontrar a razão e não encontrei uma que fundamentasse o que aconteceu. Entre outras que possam ter surgido, em nenhuma reconheci a sua veracidade.

Foram inúmeras as tentativas para levar-te para o Mundo dos esquecimentos, sempre acreditando que aquela seria a altura mais que certa para esquecer, largar, matar todo o amor sentido por ti. Acontece que a esperança e o amor juntos sempre venciam e não seriam necessárias muitas horas para voltar a acreditar no sonho que mantive bem aceso de um dia este amor seria vencedor e juntos pudéssemos viver uma vida a dois como sempre desejei e acredito que tu também o desejaste. Os planos que juntos delineámos, todos os objectivos traçados, os nossos sonhos, a nossa cumplicidade, o nosso querer eram os motivos para acreditarmos que se existe a nossa alma gémea, tu eras sem dúvida a minha. Gostava em ti aquilo que em mim não tinha, gostavas de mim naquilo que dizias sentir falta e creio que era exactamente ai que dávamos continuidade aos nossos seres como um todo.

Na realidade, nada aconteceu conforme eu acreditei que viesse acontecer e a cada dia que passa a distância entre nós vai aumentando, mesmo que eu ainda peça um último encontro e para quê perguntas tu? Para agradecer-te os dias, meses e anos de ter tido o privilegio da tua presença na minha vida. Se tivesse tido a noção do quanto me era importante, certamente que não abriria as minhas mãos tão facilmente. Quero aproveitar esta oportunidade também para agradecer as saudades que por ti senti, os sorrisos que me fizeste sorrir, os beijos e abraços que demos. Agradeço todos os presentes que me deste e aqueles que não deste, mas tiveste intenções de dar. Quero agradecer o casamento que planeámos e não se realizou, dos filhos que ambos gostaríamos de ter tido, das noites, dos dias que passamos a conversar quer tivesse sol ou chuva, uma lua brilhante ou a ausência dela, quer estivesse frio ou calor, Outono ou Inverno, Primavera ou Verão. Agradeço cada pôr-do-sol que juntos não podemos assistir, mas em todos eles estiveram bem presentes dentro da nossa imaginação. Não posso esquecer de todo o amor que fizemos e deixámos outro tanto para amanhã, amanhã esse que nunca chegou, mas que jamais posso deixar de agradecer. As discussões que tivemos e todas elas serviram como aprendizado, as reconciliações depois das discussões eram prova deste amor, isso também quero agradecer. Agradeço por me teres ensinado imenso, os carinhos que me deste e todos aqueles que não deste. Obrigado por teres feito parte da minha vida e por continuares a fazer parte, de maneira diferente, eu sei, mas certo que continuas a ser parte de mim. Agradeço por último pelas todas as outras coisas que agora não me lembro e certamente não deixam de ser importantes.

Escrevi inúmeras palavras, todas elas com muito amor, carinho, sinceridade e desejo de felicidade que foram dirigidas a ti. Apelei aos rios e montanhas que levassem para junto de ti toda a minha saudade e ao mesmo tempo era assim que ias mantendo dentro de mim. Lembro-me de tantas coisas e outras tantas que tentei expressar, tornando-se a finalidade destas linhas, portadoras de todos os meus sentimentos, testemunhas do que por ti senti. É neste caderno de linhas coloridas que deposito as palavras que são minhas, mesmo que se tornem repetitivas, todas elas eu te ofereci como se me pertencessem. A minha vontade sempre foi ficarmos juntos, não digo para sempre, mas um dia de cada vez, o resto das nossas vidas. Sei que senti amor verdadeiro, quem sabe o único amor de toda a minha vida e sabes porquê que digo isto? Porque confesso que amei alguém tão sensacional, amiga, companheira, brilhante, intensa, verdadeira, especial e única. Este amor que depositei nas tuas mãos, esqueci dizer para as fechar e guardares esse amor, ele sempre foi teu, sempre te pertenceu.

Chegou o momento do silêncio entre ambos, as palavras que se deixaram de trocar, as recordações tornam-se mais fortes, as perguntas e os porquês deram lugar á troca de mutuo amor e a voz do meu amor aos poucos se silencia, dando lugar à separação quando tudo fica paralisado e quem sabe se os nossos desentendimentos terminaram com este amor. Hoje ainda digo por uma última vez que ainda te amo, mesmo com todo o silêncio que reina entre nós e que mesmo assim, ainda ilumina a minha vida e vai enchendo o meu coração de amor. O teu sorriso foi como um raio de sol, rico, puro, suave e bonito, sendo capaz de tocar a minha alma que estava fria sem ti. Ainda te amo e quero acreditar numa última vez que nada será possível nos separar e toda esta ausência se deve ao tempo que dedicámos aos nossos afazeres e logo, logo estaremos juntos num abraço demorado.

Ninguém segura o amor entre duas almas gémeas, os seus gritos são ouvidos nos quatro cantos do universo, o aroma perfumado dos corpos espalha-se entre as flores, onde um estiver o outro estará ligado pelos fios do pensamento, e só Deus, pode explicar o porquê de nascerem na mesma época para viverem apaixonados e separados. Não sei quanta dor já senti, não importa, importa tudo aquilo que juntos vivemos e eu não quero ficar mais preso. Quero a liberdade de viver sem ti e não penses que estou a julgar-te, sempre me concedeste toda a liberdade. A liberdade com um novo colorido de felicidade, quero de novo os meus sonhos, aqueles que fui guardando e ficaram esquecidos pelo tempo. Aprendi de novo a ser feliz, sem ti e uma vez mais fico sem palavras, porque não foi fácil, não é fácil deixar-te sair dentro de mim, só que a razão é mais forte que o próprio coração e eu liberto-te, liberto-me para onde, ainda não sei, talvez para um outro Mundo para que possamos ser um só amor…o nosso amor! Até sempre.

 

Hc Poesias ®

 

Publicado em amor | Deixe um comentário